r.izze.nhas

Resenhas e aleatoriedades literárias.

Menu Close

No Éden de Steinbeck

a-leste-do-edenEnquanto eu lia A Leste do Éden, de John Steinbeck, várias pessoas me perguntaram do que se tratava o livro. Eu não sabia o que responder. Isso porque é uma obra cheia de personagens, com muitas histórias que se cruzam. Eu não conseguia, na primeira parte do livro, descobrir qual era o enredo dele. Mas o adorava mesmo assim.

Adam Trask era um bom homem. Quando adolescente foi enviado ao exército pelo seu pai, contra a sua vontade. Depois de sair do quartel e ficar anos perambulando por aí, ele decide voltar para a casa do pai e morar junto com seu meio-irmão, Charlie. A personalidade dos dois era totalmente diferente. Enquanto Adam era meigo e bondoso, Charlie era, em alguns momentos, totalmente o contrário. Um dia surge na porta da casa dos dois uma moça desconhecida, toda machucada, pela qual Adam se apaixona. O nome dela era Cathy, uma mulher com uma mente, no mínimo, diabólica. Não gostava de ninguém, só via o lado ruim das pessoas e usava esse lado para o seu benefício. Aos olhos de Adam, ela era um anjo, mas seu irmão via que ela não prestava.

Adam e Cathy se casam e se mudam para uma fazenda no Vale de Salinas, onde toda a história realmente acontece. Grávida, Cathy não conseguia se livrar do marido, mas logo depois de dar a luz a gêmeos, ela foge. Acho que posso dizer que a história é sobre esses gêmeos. Praticamente abandonados pelo pai desolado com a fuga da esposa, os dois meninos são criados por Lee, um chinês, empregado de Adam. Depois de um ano de nascimento, é que os dois garotos recebem um nome: Caleb e Aron, inspirados em Caim e Abel.

Como Adam e Charlie, Cal e Aron eram totalmente diferentes. Aron conquistava a simpatia de todos logo de início, era um menino bom e puro. Cal tinha um pouco da personalidade da mãe. Era bom, mas não conseguia evitar fazer o mal e magoar o irmão. A partir disso vão se construindo a vida deles e também a trama narrada pelo próprio Steinbeck, que percebemos fazer parte da história apenas em algumas passagens.

O diálogo levado pelos personagens passa a sensação de estarmos ouvindo eles pessoalmente. É possível imaginar claramente todos os gestos, a entonação da voz e a velocidade da fala. Steinbeck nos mostra a trajetória de todos os personagens presentes na série, do nascimento e constituição das famílias até as suas mortes. Isso é o que enriquece a obra, tornando-a uma espécie de documento, uma árvore genealógica. Pode-se pensar que isso não tem muito a ver com a trama, mas conforme as personagens se cruzam, vemos que ter tudo tão detalhado assim facilita a compreensão das relações entre eles. O perfil de cada personagem é importante. Steinbeck dá destaque ao comportamento de cada um, e ao final parece que conhecemos todos como se fossem nossos vizinhos. Até chegamos ao ponto de saber como cada um reagiria à diferentes situações.

Eu tenho que dizer que meus personagens preferidos em toda a trama são Cal, pelo qual eu sempre simpatizei por conta da complexidade da sua personalidade, e Lee, de longe a pessoa mais sábia na obra. O relacionamento entre os dois é lindo. Os ensinamentos de Lee são a chave para Cal não ceder ao jeitinho de sua mãe e continuar sendo uma boa pessoa. Tudo o que Lee diz não serve apenas como lições para as personagens da obra, mas também como lições para quem a lê. Pois essa é a importância de um livro, passar conhecimento.

A Leste do Éden entrou para a minha lista de livros favoritos. E espero que a leitura de outras obras de John Steinbeck faça com que ele se torne um dos autores mais apreciados por mim. Logo quando fui procurar por livros dele, li que suas histórias se confundem com a realidade. O que é verdade. Steinbeck nos situa ao que estava acontecendo no mundo, principalmente nos Estados Unidos, na época em que se passa suas histórias. A impressão é que tudo aquilo realmente aconteceu, que aquelas pessoas existiram. Ao final do livro, não pude deixar de ficar curiosa para saber o que aconteceu a todos os personagens. Steinbeck deixa isso em aberto, semeia o desejo de querer conhecer a vida de todos até o seu término. Infelizmente, não tenho como saber isso, só me resta imaginar.

Obs.: Essa resenha foi originalmente publicada no Blog do Meia Palavra.

Ps.: O autor (Steinbeck) foi indicado pela querida Pan! Então essa resenha vai pra ela!! Obrigada pela recomendação, Pan! xD