bucetaBuceta: Uma Novela Cor-de-rosa é a continuação de Sexo Anal: uma novela marrom. O título deixa essa ligação bem óbvia. Porém, o novo livro de Luiz Biajoni, também à venda no site da editora indepentende Os Viralata, contém diferenças. Dessa vez, saem Virgínia e Luiz, que por sinal nem é citado nesse livro, e entra Valéria, colega de Virgínia no jornal da “média” cidade paulista onde a história se passa. Agora, não é a vida sexual da moça que dá o rumo à história, mas uma série de acontecimentos ligados entre si que envolvem uma poderosa mulher da região.

Tiago Zanco, da alta sociedade, morre com sua família em um trágico acidente de carro. Um desmanche ligado à maior concessionária de carros da cidade é descoberto. Um médico coreano especializado em mudança de sexo chega ao lugar e é assaltado. Que mistura, não? No meio disso, está a polícia, um assassino de aluguel e, novamente, os jornalistas da cidade: Geraldo Assis, o experiente, e Valéria, a estagiária.

A fórmula narrativa continua a mesma de Sexo Anal: jogo rápido entre personagens, mudança de cena, linguagem simples. Uma novela, como falei anteriormente. Gostei da história estar mais centrada em um acontecimento que dá fôlego à trama. Comentando o livro com um amigo, percebi que Buceta não tem aquela carga emocional do livro anterior, onde o comportamento dos indivíduos era o que interessava. No entanto, essa falta não é tão grande, isso porque foram comportamentos pessoais que desencadearam toda a trama.

Se os títulos dos livros de Biajoni espantam a ponto de você se sentir envergonhado para lê-los em público, não se estresse: ambos são pequenos, e até minha mão nanica consegue esconder toda a capa. É também muito fácil camuflá-lo dentro de um livro maior. Enfim, não deixe de ler Buceta, nem Sexo Anal. É rápido, é divertido, e até faz você pensar na vida. São ótimos livros para descontrair um pouco, e gostei do segundo tanto quanto do primeiro. Será que tem mais um por vir?