tudo-o-que-nunca-conteiNada pior do que desejar algo, não conseguir e jogar suas expectativas para cima de outra pessoa que não tem nada a ver com o assunto. Esse seria um resumo básico do que é Tudo o que nunca contei, romance de Celeste Ng lançado pela Intrínseca (tradução de Julia Sobral Campos). Tudo começa com o desaparecimento – e consequente morte – de Lydia Lee, 16 anos, aluna exemplar e filha mais do que amada pelos seus pais e seus dois irmãos. A polícia trabalha com a hipótese de suicídio, e é isso o que provavelmente aconteceu – Tudo o que nunca contei não é nenhum thriller, se é isso o que você esperava. É sobre a relação entre pais e filhos e tudo o que pode dar errado quando não há diálogo.

O comportamento estranho de Lydia é notado por Hannah, sua irmã mais nova, na noite em que desapareceu. Hannah, sempre quieta, quase invisível, ouviu a irmã sair de casa durante a madrugada. Não falou nada aos pais nem ao irmão mais velho, Nate, prestes a ir para Harvard. Mesmo depois de saber que Lydia estava morta, mesmo com a polícia e seus pais implorando por alguma pista, uma explicação. Nate também percebeu que a irmã andava diferente nos meses anteriores, saindo com um garoto meio problemático da escola, deixando de fazer seus deveres, ainda mais afastada dos colegas e da família. Mas os pais de Lydia nunca notaram isso. Para eles, a filha preferida era popular, tinha muitos amigos, não tinha nenhum problema para se relacionar com as pessoas. Suicídio não era uma explicação lógica para a morte dela.

Read more