O Apanhador no Campo de Centeio e suas polêmicas

Bem, dessa vez não é uma resenha. Trata-se de um artigo que escrevi para o recém lançado Portal Bird. Fica aí a divulgação e o pedido para darem uma olhada em todos os artigos do portal, que vão além da literatura e abordam a arte em geral. Boa leitura!

o-apanhadorO Apanhador no Campo de Centeio, de J. D. Salinger, é um livro que sempre causou polêmica. Ele conta a história de Holden Caufield, um adolescente de 16 anos que, ao voltar para casa com o adiantamento de suas férias na escola, muda seu rumo e vai para Nova York. O livro todo se centra nas reflexões de Holden sobre a sua vida, e representa um jovem confuso com o mundo e seus aspectos.

Pela sinopse, parece que o livro não é nada de mais, mas sua história é envolvente e é leitura recomendadíssima, principalmente aos jovens. O livro ganhou notoriedade em 1980, com o assassinato do Beatle John Lennon. Um exemplar da obra foi encontrado com o assassino de Lennon, Mark Chapman, que disse que a história o inspirou a cometer o crime. O livro virou base para conspirações que dizem que ele desencadeia o “lado assassino” nas pessoas.

No começo de junho desse ano, O Apanhador no Campo de Centeio voltou aos holofotes do mundo litarário. J. D. Salinger entrou na justiça para impedir a venda de um livro anunciado como continuação de sua famosa obra. 60 Years Later: Coming Through de Rye (60 anos depois: Passando pelo centeio), do austríaco Fredrik Colting, que sob o pseudônimo de J. D. California conta a história de Mr. C, um Holden Caufield com mais de 70 anos, que foge de um asilo e passa a perambular por Nova York. Tudo é nos moldes da história de Salinger, só que caracterizado 60 anos depois.

60-years-laterNo dia 1º de julho, a juíza de Nova York Deborah Batts proibiu a circulação do livro de Colting nos Estados Unidos, que estava previsto para ser lançado em setembro. Ela aceitou a acusação de que Colting infringiu os direitos autorais de Salinger sobre O Apanhador no Campo de Centeio e seu personagem principal.

No último dia 24, Colting apelou à decisão da justiça, procurando liberar seu livro nas prateleiras americanas. Ele se defende dizendo que 60 Years Later é “uma paródia crítica que tinha o efeito de transformar a obra original”. E os seus advogados alegam que Colting “fez em uma obra de ficção, a mesma coisa que muitos acadêmicos e críticos fizeram anteriormente”. A proibição nos EUA não atrapalhou a sua publicação na Inglaterra, onde o livro está sendo comercializado normalmente.