Os rascunhos de Agatha Christie

Vi lá no Meia Palavra que foi publicado um livro bem bacana sobre a Agatha Christie. Os livros da autora estão entre os primeiros que li e que me fizeram gostar mesmo de literatura. Então ela é um nome mais que querido na minha lista de autores preferidos, e esse lançamento acendeu a luzinha de desejos literários. O livro em questão é Agatha Christie’s Secret Notebooks, do irlandês John Curran. O que ele tem de especial? Curran fala nesse livro do processo criativo da autora, baseado nos seus estudos feitos com os cadernos de rascunho dela.

Não precisa de mais para querer esse livro. Quem é fã de Agatha vai querer ler, com certeza. Entender como ela criava suas tramas, como montava as pistas e escolhia seus assassinos vai tornar a leitura de suas obras ainda mais interessante. Em entrevista para a Folha de S. Paulo, Curran diz que passou quatro anos analisando os 73 cadernos de Christie. Segundo ele, as anotações eram uma bagunça só.

Agatha misturava suas histórias, do nada voltava a trabalhar em textos antigos e mudava diversas vezes a trama (incluindo os assassinos) até chegar na versão final. Apenas seis dos seus mais de 80 livros não são citados nos cadernos. E além das curiosidades encontradas neles, o livro traz dois contos inéditos da autora, entre eles um descoberto apenas em 2004.

É um sonho poder ler esses detlhes sobre a maior autora de livros de detetive, não? Até o autor de Agatha Christie’s Secret Notebooks se diz surpreso por conseguir ter acesso aos cadernos e, ainda melhor, poder estudá-los. Muitos fãs te invejam, Curran!

E outra coisa comentada pelos membros lá do Meia Palavra: spoilers. O livro só pode estar cheio deles. Então se você se importa com isso, é melhor aproveitar que o livro ainda não tem previsão para ser publicado aqui e ler o maior número possível de obras da Christie. Já eu, vou ler de qualquer jeito.