Aconteceu em Blackrock, de Kevin Power

Aconteceu em Blackrock

Riqueza e materialismo fazem parte da vida de alguns jovens em qualquer parte do mundo. Filhos de pessoas de respeito e com uma conta bancária recheada, são adolescentes que estudam em escolas particulares, saem quase todas as noites para festas, consomem o que querem e vivem uma vida que chamamos de fútil. Geralmente, eles tem um futuro brilhante traçado passo a passo. Porém, um ou outro às vezes joga esse futuro em um abismo, onde a riqueza até pode dar uma mão, mas não vai impedir que suas vidas fiquem marcadas pela exposição que tiveram. São jovens assim que encontramos em Aconteceu em Blackrock, do irlandês Kevin Power.

Richard Culhane, Barry Fox e Stephen O’Brien são típicos adolescentes ricos do sul de Dublin. Jogadores de rúgbi e alunos talentosos, os três são exemplos a serem seguidos em sala aula. Mas fora dela, as bebedeiras, drogas e o sexo preenchem a sua rotina. Com entre 20 e 22 anos de idade, já na faculdade, os três espancam Connor Harris até a morte, em uma briga banal em frente a uma boate. Connor, com 21 anos, era ex-colega dos três rapazes.

Uma história banal cheia de clichês adolescentes? Não. Kevin Power cria um narrador que vivia próximo aos quatro garotos para tentar explicar como foi possível ocorrer algo tão aterrador. Esse narrador relata de uma forma convincente a juventude de Dublin. Inconsequentes, os jovens têm em mente apenas viver da forma mais intensa possível, sem preocupação com o futuro – há outras pessoas para fazer isso por eles. Aconteceu em Blackrock é uma história que poderia ter como cenário qualquer outro lugar.

Power se inspira em casos de jovens reais, mas toda a sua trama é fictícia. Porém, não deixa de ser um retrato verdadeiro do cotidiano dos jovens abastados. A história é intensa e a linguagem é acessível, pois a narração é de alguém que saiu da adolescência não faz muito tempo, e principalmente de alguém que fazia parte daquele mundo.

O livro apresenta o caráter de cada personagem de atuação importante no crime. Power monta suas características aos poucos, criando imagens e pré-conceitos sobre os atos de cada um. Ele não se limita apenas ao material, mas seu narrador especula constantemente sobre as emoções dos indivíduos. O autor vai traçando a reação de cada envolvido na trama ao saber que Connor havia morrido. Principalmente a dos três amigos, que não tinham a intenção de matá-lo. Aconteceu em Blackrock se torna ainda mais expressivo quando temos conhecimento de quem é esse narrador.

Alguns leitores podem achar que não há resposta para o questionamento do livro, enquanto outros podem encontrá-la entre as linhas de Kevin Power ou dentro de sua própria mente. De leitura agradável e sem muita exigência, esse é um livro que deveria estar na cabeceira de muitos adolescentes e jovens adultos, como um aviso e como proposta de reflexão. A aparente simplicidade e futilidade da narrativa esconde um significado maior, expondo sutilmente um alerta para pensar essa nova geração, pensar os atos, as responsabilidades, pensar a vida e o futuro.