Leitura da Semana: Me Roubaram Uns Dias Contados

E só a segunda semana de janeiro? Jura? Parece bem mais… Poderia ser bem mais, já que início de ano nunca é muito legal. Só de pensar no monte de coisas que tem pra fazer durante o ano todo já bate um cansaço. Mas mesmo assim, continua-se lendo. No final de semana “matei” Quero Ser Reginaldo Pujol Filho – do Reginaldo Pujol Filho, hã? – e agora é a vez de Me Roubaram Uns Dias Contados, de Rodrigo de Souza Leão.

O livro foi indicação do Daniel Lopes, lá do Amálgama, que também me sugeriu ler ele sem pressa. O motivo? É um livro, digamos, denso, complicado de entender. Me Roubaram Uns Dias Contados oscila entre a ficção e a autobiografia, reunindo diversas vozes e histórias que, acredita-se, tenham alguma coisa em comum. É o primeiro livro do autor publicado pela Record, e é um romance póstumo: Rodrigo de Souza Leão faleceu em 2009 em uma clínica psiquiátrica. Finalizado em 2008, o romance contém uma carga forte de sentimentos e emoções do autor que não são nada alegres.

Não cheguei nem na metade do livro, mas até agora estou entendendo bem o que narra. É meio complicado sim, pois em certa parte os parágrafos são bem fragmentados, pulando de assunto em assunto, mas sempre com um ar depressivo, indeciso e possessivo ligado principalmente à atividade da escrita. O que veio me agradando até então.

A resenha de Me Roubaram Uns Dias Contados vai sair no Amálgama (não sei quando), e divulgo aqui quando estiver publicada. Boa leitura, povo!