sexoanalPode uma variedade de acontecimentos estarem ligados a… sexo anal? Luiz Biajoni, autor do livro Sexo Anal: uma novela marrom, fez isso acontecer. Disponível para download no seu site, e à venda pelo selo Os Viralata, Sexo Anal conta a história do escrituário Luiz e da jornalista Virgínia. Namorados a mais ou menos um ano, o relacionamento dos dois muda repentinamente por causa do gosto de Virgínia pelo sexo anal. A partir daí, não só o namoro como a vida dos dois muda. De repente, Luiz se vê ajudando pessoas que mal conhecia, e Virgínia recebe a oportunidade de crescer no trabalho.

tailor-dinizUm Terrorista no Pampa, do escritor gaúcho Tailor Diniz, conta uma história permeada de mau-entendidos. Homero Mergé, morador de Passo da Barca, está cheio de dívidas. Para pagá-las, vai aos EUA tentar fechar um negócio com churrascarias de Nova York. Porém, o ingênuo passo barquense desanima diante de toda a burocracia que o impede de fornecer carne aos estabelecimentos. Desiludido, Homero vê em uma tragédia a chance de mudar sua vida.

meupaís inventadoO que você sabe sobre o Chile? Fiz-me essa mesma pergunta quando comecei a ler Meu País Inventado, de Isabel Allende. Não fazia idéia de como era o país, a vida de um chileno, os problemas de lá. Com esse livro, fiquei conhecendo um pouco mais desse lugar que está tão perto da gente, mas ao mesmo tempo tão longe. A obra é pura nostalgia. Em uma entrevista, Isabel foi questionada sobre o quanto suas lembranças afetam seus livros. A pergunta a fez lembrar de sua família e, principalmente, do Chile, país onde cresceu e que transformou a autora. Foi aí que surgiu o livro.

vernonVernon God Little, primeiro romance de DBC Pierre, vencedor do Booker Prize de 2003, é “Uma comédia na presença da morte”. O subtítulo, como disse o autor em entrevistas, marca o encontro da comédia com a tragédia. Pois é assim que Vernon é: engraçado nas divagações e trágico nos acontecimentos narrados pelo cômico e desgraçado protagonista.

irisbahrAos 20 anos de idade, depois de ser dispensada do exército, a americana descendente de israelenses Iris Bahr resolveu fazer uma viagem. Assim como muitos colegas do exército, se tornou mochileira, e fez um tour pela Ásia. Até aí normal, muitos saem só de mochila nas costas e caem no mundo para conhecer o maior número de lugares e culturas possíveis. Mas Iris tem uma missão: perder sua virgindade. Como diz o subtítulo do livro, Iris está em busca de sexo. E como diz o título, ela é uma pseudovirgem.

manicômioNascido em 1950, Patrick McGrath cresceu próximo ao hospital psiquiátrico que seu pai dirigia. Certamente, essa vida que ele levou tão próximo de um lugar repleto de pessoas de comportamentos estranhos e perigosos o inspirou a escrever o livro Manicômio. O romance é narrado pelo médico psiquiatra Peter Cleave, um dos médicos mais experientes de um hospício na Inglaterra, no final dos anos 1950. Ele trata de Edgar Stark, um artista que, depois de assassinar sua mulher, está há cinco anos internado nesse hospital, com o diagnóstico de psicose paranóica. Edgar acaba por se envolver com Stella Raphael, a atraente esposa do vice-superintendente da clínica.

sharpeSe O Tigre de Sharpe não tivesse o nome do autor na capa, saberia dizer de quem era o livro do mesmo jeito, a narração de Bernard Cornwell é única. O livro faz parte da grande série As Aventuras de Sharpe, que teve seu início em 1981 e já soma 21 livros na Inglaterra. Aqui no Brasil contamos com sete volumes que não seguem a ordem de publicação original, mas sim a ordem cronológica da História.

crepusculoTodos têm que ter uma opinião sobre best-sellers, por mais tardia que seja. E para ter uma opinião sobre certa coisa, é necessário conhecê-la, por isso resolvi ler Crepúsculo, de Stephenie Meyer. As críticas sobre a criação da autora são muitas. Os fãs rechaçam os que falam mal dos livros, os que falam mal desprezam os fãs. Há exceções, claro, mas falo do comportamento mais freqüente. Todo esse frenesi em cima da série Twilight me deixou muito curiosa, e eu não gosto de ficar nesse estado por muito tempo. Queria logo saber se o livro era aquela grande porcaria como alguns diziam, ou se era a obra mais maravilhosa de todos os tempos. Consegui o livro por um preço que não me deixaria frustrada caso não gostasse dele, e comecei logo a leitura.

o-condenadoNo início do século XIX, Charles Corday, um pintor inglês, é acusado de assassinar uma cliente, a condessa de Avebury. Ele foi julgado e condenado à forca, porém, uma semana antes de sua execução, a mãe de Corday, com intervenção da rainha da Inglaterra, consegue reaver o caso. Para investigar se o pintor é ou não inocente, o capitão Rider Sandman, que lutou em Waterloo, é contratado. Sandman esperava apenas uma confissão de Corday, mas alguns fatos revelados ao capitão fizeram com que ele se empenhasse em descobrir a verdade por trás desse assassinato.

capa - NY novo.aiLarry Rohter é um jornalista americano que foi correspondente no Brasil para o jornal New York Times, e ficou mais conhecido aqui quando escreveu uma matéria sobre o tão comentado gosto pela bebida do nosso presidente, O Cara. Foi quase mandado embora do país pelo governo, e a imprensa usou esse episódio para fazer um belo escândalo acima do estrangeiro que falou mal de Lula, mas não de Bush. Enfim, essa introdução é só pra situar os esquecidos de quem é Larry Rohter. Ele já foi correspondente aqui para o The Washington Post e para a revista Newsweek, mas seu último trabalho no Brasil foi para o New York Times, onde escreveu matérias sobre o país de 1999 até 2007. Deu no New York Times reúne essas matérias, com comentários sobre as mais polêmicas e inusitadas reportagens e ainda as impressões do jornalista sobre o Brasil.