Zinos vive sozinho em Hamburgo-Altona. Ele tem família, um pai e uma mãe que voltaram para a Grécia assim que ele completou 18 anos de idade, e um irmão mais velho, Illias, que entra e sai da prisão. A existência de Zinos é bem melancólica: deixado sozinho na Alemanha e sem a presença do irmão que admira, o garoto se vê obrigado a conseguir emprego para poder se manter no apartamento pequeno que ganhou dos pais. Consegue um trabalho na cozinha de um restaurante italiano. E ali decide que cozinhar será a sua meta na vida, sonhando com a propriedade de um restaurante.

Com uma narração realizada em terceira pessoa, A cozinha da alma, de Jasmin Ramadan, propõe um mergulho ao íntimo do protagonista enquanto persegue o seu sonho e tenta descobrir seu lugar no mundo. Ele não é um jovem desajustado e preguiçoso, apresenta muitas vezes grande determinação, mas acaba se deixando levar pelo desejo durante breves momentos que comprometem todos os seus planos. Como quando foi demitido de seu primeiro emprego por se envolver com uma colega de trabalho e chegar atrasado à sua iniciação de “chef de cozinha”, ou se envolver com uma antiga amiga da ilha grega de onde veio sua família. Ele não é idiota, apenas ingênuo em algumas questões, principalmente quando elas envolvem mulheres.