Só porque as listas de bons livros lidos nos anos anteriores sumiram do blog – aquele problema lá que me obrigou a passar horas subindo todas as resenhas novamente -, e porque estou com vontade de fazer uma lista, aqui vai o meu top 16 de melhores leituras do ano. Queria que fosse um top 5, ou no máximo um top 10, mas revendo a lista de livros lidos de 2013 vi que seria impossível fazer uma seleção mais enxuta.

Foi um ano de bons livros, apesar de ter lido menos que o esperado por ter que me dedicar mais ao final do curso de jornalismo e usar boa parte do meu tempo de leitura para isso – aos curiosos, podem me considerar formada. Talvez se eu ainda estivesse no meu ritmo antigo de leitura essa lista fosse maior. Talvez. Mas estou satisfeita com o que li, e principalmente com o que conheci durante esse ano.

a-mente-assombradaFaz algum tempo em que ando interessada no funcionamento do cérebro humano. O interesse surgiu, acredito, quando comecei a ler mais sobre a memória – como funciona, o que nos faz lembrar de certas coisas e esquecer outras. Tudo era tão diferente do que eu pensava, e tão maravilhoso, que cada vez mais fui procurando ler coisas sobre o cérebro. A última dessas leituras foi A mente assombrada, novo livro do inglês Oliver Sacks, renomado neurologista autor de diversas obras que exploram a mente humana. Nesse último livro, seu interesse se debruça sobre as alucinações, as involuntárias e as induzidas por drogas e outras substâncias, mostrando de que maneira o ato de enxergar aquilo que não existe está presente no cotidiano e na cultura humana.

O início de A mente assombrada já dá ao leitor uma ideia do quão extraordinário é o nosso cérebro, de uma maneira que o deixa maravilhado e assustado. Alucinações, na definição que Sacks faz, são “percepções que surgem na ausência de qualquer realidade externa – ver ou ouvir coisas que não existem”. Diferente do que o senso comum considera, ter alucinações não possui relação alguma com a loucura. Muitas pessoas que sofrem com alucinações podem não procurar tratamento ou não admitir para outros que veem coisas que não existem com receio de serem consideradas loucas, uma reação preconceituosa e ignorante da real natureza dessas visões ou percepções. Esclarecer isso, então, é a primeira coisa que Sacks faz ao leitor.