Um promotor público do Condado de Kindle conta como inicia as sessões nos julgamentos em que representa o estado. Ele se dirige aos jurados, apresentando o réu e dizendo a eles o que espera que façam no tribunal: deliberar sobre a culpa ou a inocência do acusado. Este promotor é Rusty Sabich, e não há forma mais pertinente de abrir um thriller jurídico do que mostrando a principal atividade de um promotor: reunir provas e acusar. Porém, em Acima de qualquer suspeita – livro que alçou a carreira literária de Scott Turow, traduzido no Brasil pela editora Record – esse homem não vai exercer seu trabalho, mas sim ser confrontado pela própria atividade com que ganha a vida, invertendo o papel de promotor para réu.

Sabich teve uma infância conturbada por conta do comportamento violento do pai, e depois de passar pela polícia alcança o patamar de segundo-homem da promotoria do condado. Acima dele está apenas Raymond Horgan, disputando a reeleição como chefe da promotoria contra Nico Della Guardia, um rival aos olhos de Rusty. Ele, então, praticamente chefia a promotoria enquanto seu chefe busca a reeleição, e não bastassem as funções acumuladas, deve tratar de um caso ainda mais delicado: o assassinato de Carolyn Polhemus, uma colega advogada com quem mantinha um relacionamento extraconjugal. Encontrada morta em sua casa com sinais de estupro, Horgan e Rusty vêem a solução desse caso como fundamental não apenas por se tratar de uma conhecida de ambos, mas por garantir a reeleição do promotor-chefe.