certos-homensO que cabe dentro de uma crônica? Além dos dois ou três mil caracteres que seu espaço dentro de uma página de jornal ou revista permite, o que mais podemos colocar dentro desse pequeno texto? Esse espaço pode ser preenchido com alguma experiência do cotidiano, um evento corriqueiro, uma crítica ou comentário sobre uma notícia, ato ou episódio, uma reflexão sobre o que há na vida. Enfim, tudo cabe dentro de uma crônica, basta um assunto, a abordagem e as palavras certas para iniciar sua escrita. E diferente do que alguns pensam, a crônica pode viver mais que o jornal em que foi publicada, e que no dia seguinte já é descartado, mais que uma semana ou um mês.

“Quase tudo o que cabe numa crônica está nesse livro”, diz a orelha de Certos homens, do escritor Ivan Angelo, terceiro volume da série Arte da crônica da Arquipélago Editorial – que já publicou nesse mesmo formato os livros Nós passaremos em branco, de Luís Henrique Pellanda, e Esse inferno vai acabar, de Humberto Werneck. A orelha não mente: um pouco de tudo foi utilizado pelo autor para compor as crônicas publicadas na revista Veja São Paulo. Amor, família, trabalho, relações inusitadas e histórias engraçadas ouvidas ou vividas.

Na semana passada, o curso de extensão A Trajetória do Livro e da Ediçãodo qual participo –, promovido pela Unisinos, levou até os alunos os editores Paulo Lima, da L&PM, Tito Montenegro, da Arquipélago, e Carlos Gianotti, da editora da Editora Unisinos. Com conversa transmitida via webconferência – é um curso à distância –, eles foram questionados pelos alunos acerca das funções de um editor e, principalmente, sobre questões do mercado editorial, o principal assunto abordado no curso. Do que foi discutido nesse encontro, o que mais me chamou a atenção foi realmente a opinião dos editores sobre o livro digital e a importância da internet para a divulgação de lançamentos.