Primeiro romance publicado de David Foster Wallace, The Broom of the System foi lançado em 1987. Ele já contém muito do jeito DFW de narrar, essa coisa meio absurda e extremamente contemplativa – mas sem notas de rodapé. Quando comecei a ler, Caetano Galindo, tradutor de Graça infinita, sugeriu que eu desse uma olhada no artigo sobre Wittgenstein na Wikipedia, pois ajudaria a entender o livro. Li. Entendi nada.

Por trabalhar com redes sociais para uma editora, o que mais ando vendo no fim do ano são as listas de melhores livros do bendito ano. E eu não aguento mais tanta lista. Já tem até uma lista das melhores listas de melhores livros (please, stop listas, mas essa é bem legal porque mostra umas estatísticas das listas, como número de autoras mulheres, homens, traduções, brancos, negros que aparecem nelas etc.). Mas se eu não suporto mais ver tanta lista por aí, por que estou fazendo uma? Porque é tradição, porque quero relembrar o que li esse ano, porque o Google adora e vivo recebendo visitas no blog por causa delas (rs).

De acordo com o DATAr.izze.nhas (a página de livros lidos), o número de títulos que eu li vem caindo a cada ano, shame on me. Já cansei de procurar desculpa para justificar isso (ano passado foi a mudança para São Paulo), então vou jogar a real e dizer que às vezes estou tão cansada, mas tão cansada, que só quero deitar no sofá e encarar a parede (ou então assistir novela mesmo). Ou talvez esteja desenvolvendo alguma dificuldade de me manter concentrada em uma coisa só. Mas ainda consegui reunir nove livros que gostei muito mesmo de ler em 2015, entre coisas que comecei no ano passado (beijo, DFW) e até uma releitura. Então, segue a listinha em ordem cronológica de leitura. 🙂

Graça infinita chegou no Brasil com toda aquela pompa de livro genial de autor genial que é lido só por gente genial aqui das nossas literaturas contemporâneas. Certo que parte do motivo de tanta gente decidir ler o livro é poder se sentir meio incluso nesse grupinho. Mas hey, é só um livro, uma ficção, uma história escrita há 20 anos e que agora chegou aqui (e que parece que só vem crescendo mais e mais – tem até filme sobre David Foster Wallace pra sair). Mas aí você começa a ler, tem aquele estranhamento inicial de “o que está acontecendo aqui?” – por mais que você tenha lido e relido a sinopse –, e aos poucos tudo vai fazendo sentido, tudo vai se encaixando. Só que nem ler todas as mais de 1144 páginas será o bastante para entender o livro, tem gente que já está na quarta leitura e ainda acha que precisa de mais.

Durante algum tempo, Breves entrevistas com homens hediondos foi o único livro de David Foster Wallace traduzido no Brasil. Felizmente, ano passado a Companhia das Letras lançou Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo, que, segundo seu organizador, o escritor Daniel Galera, seria o melhor meio para quem quer começar a ler DFW. Pois diferente de Ficando longe, que reúne ensaios e reportagens do autor, Breves entrevistas é pura ficção. O que o livro trás são parte de seus contos, recheados de notas de rodapé – até quem nunca o leu conhece essa sua fama – e dos mais obscuros desejos e casos que envolvem o pensamento dos homens.

Cada dilema ou tara humana serve para DFW escrever um texto perturbador e provocativo. Seja quando o foco são os homens, como é o caso dos enxertos espalhados em várias partes do livro intitulados “Breves entrevistas com homens hediondos”, em que desvelam para uma interlocutora, cuja fala não temos acesso, todos os seus truques de conquistas baratas ou preferências sexuais; seja quando são as mulheres, como nos contos “A pessoa deprimida” e “Adult world I” e “Adult world II”, os textos exploram questões profundas, interiores, problemas íntimos que tomam várias formas em diferentes pessoas.

David Foster Wallace não era um completo estranho para mim quando comecei a ler seu segundo livro publicado aqui no Brasil, uma coletânea de ensaios reunidos por Daniel Galera com tradução sua e de Daniel Pellizzari, que tem o curioso nome de Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudoO escritor, que se matou em 2008, já tinha uma certa fama entre todos os meus amigos dessa vidinha literária, então era como se eu já o conhecesse mesmo sem ter lido. Mas, na verdade, havia feito algum contato com a obra dele: Pense na lagosta, um dos ensaios que compõem esse volume que foi publicado na edição de setembro do ano passado na piauíIsto é água, texto também presente nesse livro e que pipoca eventualmente pela internet, e Para sempre em cima, trecho do primeiro livro publicado em terras brasileiras, Breve entrevistas com homens hediondosdisponibilizado no site da Companhia das Letras.