No Himalia, em 1970, uma americana de 45 anos procura o esquecimento entre as montanhas. Ela simplesmente chegou lá, sem dizer nada nem nada fazer. Procurou um canto para ficar e, assim, viver enquanto se prende em um transe que a torna um mistério no lugar. A Mulher Sem Palavras, romance de Marcelo Barbão, relata a vida de uma pessoa que, mesmo sem falar – por escolha própria –, tem muito a dizer. Sua protagonista não tem nome, o que faz dela um mistério também para o leitor, mesmo sendo ele o alvo dos seus relatos. Essa aura enigmática está presente no próprio texto, um relato cortado entre os tempos que aos poucos monta sua história.