Em 1978, Gregory David Roberts foi preso por assalto à mão armada na Austrália. Ao se divorciar, o até então escritor se rendeu completamente à heroína, perdeu o contato com sua filha, sua família, e passou a roubar para alimentar seu vício. Capturado, ele foi condenado a passar 19 anos trancafiado dentro de uma prisão de segurança máxima. Contudo, o horror das torturas sofridas dentro da cadeia e o desejo incontrolável pela liberdade levaram Roberts a um ato extremo: fugir. E em 1980, livre da prisão e um dos mais procurados foragidos da Austrália, ele desembarca em Bombaim, a cidade mais populosa do mundo. Muito mais do que uma chance de se esconder, se redimir de seus erros e começar uma nova vida, Gregory David Roberts encontrou na cidade a acolhida que nunca teve em nenhum outro lugar, e se sentiu em casa em meio ao caos da cidade indiana marcada pela pobreza, desigualdade e crimes.

Em Shantaram, a vida do autor serve de base para esse romance que transita entre as camadas mais pobres de Bombaim até o luxo de Bollywood, entre a paz e solidariedade dos moradores de uma favela clandestina até a guerra no Afeganistão e a briga entre as gangues mafiosas da capital de Maharashtra. E entre o amor pela cidade, sua cultura e seu povo e o ódio e medo despertado quando sua liberdade fica novamente ameaçada. Recheado de personagens marcantes, o livro de mais de 900 páginas publicado pela editora Intrínseca aqui no Brasil revela a força desse protagonista para se reerguer nos momentos mais difíceis e encontrar lógica e bondade em meio à violência e a impunidade de Bombaim.

A história de uma cidade é feita pelas pessoas que nela vivem. Pessoas que perpetuam a cultura de séculos e ao mesmo tempo sonham com a modernidade, avanços tecnológicos que lhes facilitam a vida, criando seus filhos em um lugar que mistura o antigo com o novo. Seja uma grande metrópole ou uma pequena cidade do interior, todas tem suas peculiaridades, suas histórias e personagens. Muitos são semelhantes, seguem a mesma rotina de casa e trabalho, mas existem aqueles que são singulares, estranhos e, por isso, notáveis. E por mais que essa cidade tenha falhas, quem nela cresce dificilmente irá esquecê-la e abandoná-la.

Essa introdução resume o que se encontra em Bombaim: cidade máxima, do jornalista indiano Suketu Mehta, finalista do Pulitzer de 2005 e recém lançado pela Companhia das Letras. No livro sobre a maior cidade do mundo, o autor revela os bastidores daquilo que mais caracteriza a capital da Índia: a superpopulação, o contraste entre riqueza e pobreza, os luxos de Bollywood e a corrupção incrustada no povo indiano. Nascido em Calcutá, Mehta viveu até a adolescência em Bombaim – que hoje é Mumbai, mas ele prefere se referir à cidade pelo nome que tinha em sua infância – até se mudar para os EUA com sua família e lá continuar seus estudos, se formar e construir uma carreira. Apesar de a América do Norte ser mais organizada e ter mais qualidade de vida, Mehta tem uma ligação forte demais com Bombaim para esquecê-la, o que o faz voltar a morar lá depois de 21 anos vivendo a cultura americana, já casado e com dois filhos pequenos. E é essa ligação que o motiva a escrever sobre a cidade.

Certo, a tal novela das oito acabou, mas ainda é tempo de falar sobre ela. Isso porque a última trama de Glória Perez deixou uma nova marca nos brasileiros, que durante meses acompanharam Maya, Raj e Bahuan na mais nova ponte aérea novelística: Brasil-Índia. Assim, o “inshalá” de O Clone foi substituído pelo “are baba” de Caminho das Índias, e um pouco daquele grande país foi apresentado aos brasileiros que só ouviram falar da Índia na escola (e nem se lembram).

a-distancia-entre-nosEm Bombaim, na Índia, há duas mulheres cuja relação foge ao comum quando se fala de patroa e empregada. Bhima trabalha há anos na casa de Sera, e a história das duas é o enredo de A Distância Entre Nós, da jornalista Thrity Umbrigar. Sera é de uma família rica. Viúva, mora com a filha e o genro. Já Bhima sempre foi pobre, mas as complicações de sua vida a fizeram piorar essa condição. Agora, a preocupação com o rumo que Maya, sua neta, irá tomar preocupa essa senhora.

sharpeSe O Tigre de Sharpe não tivesse o nome do autor na capa, saberia dizer de quem era o livro do mesmo jeito, a narração de Bernard Cornwell é única. O livro faz parte da grande série As Aventuras de Sharpe, que teve seu início em 1981 e já soma 21 livros na Inglaterra. Aqui no Brasil contamos com sete volumes que não seguem a ordem de publicação original, mas sim a ordem cronológica da História.