No final dos anos 1980 a Iugoslávia se dissolveu. Marcada por diferenças étnicas, políticas e religiosas, os países que então compunham e ex-Iugoslávia foram sentindo a crise da queda do regime comunista na Guerra Fria, principalmente a Sérvia e a Croácia, marcadas agora pelo nacionalismo, e foram conquistando sua independência. Mas essa crise posteriormente seria sentida também na Bósnia-Herzegovina, que entre 1992 e 1995 entrou em guerra justamente por conta da conquista de sua independência. Essa guerra entre sérvios e muçulmanos, com reviravoltas e partidos e grupo militares trocando de lado diversas vezes, causou verdadeira destruição no país e promoveu uma limpeza étnica por parte dos sérvios, muito semelhante à que ocorreu na Segunda Guerra Mundial.

Os impactos dessa guerra são narrados por Joe Sacco em Uma História de Sarajevo, publicado pela editora Conrad. Jornalista maltês especializado em coberturas de áreas de conflito, ele inicia o livro a partir de um relato feito em 2001, uma visita de volta à capital da Bósnia. Dessa visita, o jornalista/quadrinista resgata lembranças do tempo em que passou no país cobrindo a guerra nos anos 1990, da situação em que a cidade se encontrava e as mazelas de seus habitantes, arrancados de suas casas e jogados na rua para sobreviver. Diferente do que fez em Palestina: uma nação ocupada, em Uma História de Sarajevo Sacco não explica esse complicado conflito, suas motivações, causas e visões. Aqui, o seu relato jornalístico em quadrinhos é concentrado nas palavras e lembranças de apenas uma personagem: Neven.

Os conflitos entre palestinos e israelenses são notícia nos jornais de horário nobre há muitos anos. Eles duram tanto tempo que a paz entre os dois lados é um sonho que dizem nunca se concretizar. A guerra entre Palestina e Israel é algo que vai muito além de um livro onde se baseia toda uma religião, mas também afeta a identidade nacional de cada um dos cidadãos que vivem nas áreas de conflito e nos assentamentos de refugiados. Esses conflitos, iniciados com o movimento sionista – nacionalismo judeu – no início do século XX, perduram até hoje e já são tema das aulas de geografia de algumas gerações. Mas o que essas aulas ou as habituais notícias nos jornais não conseguiram explicar – como tudo isso começou? –, Joe Sacco o faz de maneira simples e eficiente – e regada a muito chá.

Jornalista maltês especializado em cobrir áreas de conflito, Sacco passou dois meses no início da década de 1990 – um dos vários períodos intensos desse embate entre nações – em Jerusalém, na Cisjordânia e na Faixa de Gaza para ver e contar a situação dos Palestinos e a visão de ambos os lados dessa relação turbulenta. Sua intenção não é ser parcial ou educativo, mas ser sincero no retrato do que viu usando letras e desenhos. Sim, desenhos. Sacco é quem muitos chamam de o “precursor do Jornalismo em Quadrinhos”, e Palestine, aqui no Brasil dividido em dois volumes pela editora Conrad, é uma bela obra que abre os olhos do leitor para a situação da região. Em Palestina: Uma Nação Ocupada, o jornalista vai atrás de personagens reais que tenham o que contar sobre ataques, invasões e perdas que enfrentaram durante todo o tempo de vida nesses territórios ocupados.