Ana Maria Machado nem havia trabalhado com crianças ou tido qualquer experiência parecida quando começou a escrever histórias infantis para a Revista Recreio em 1969. Assim como outros escritores que começaram a escrever para esse público na mesma revista e, como ela, nunca mais pararam de dedicar suas histórias às crianças. Agora, Ana Maria Machado é uma das principais autoras infantis do país, com mais de 100 livros publicados, além de romances e outros títulos voltados para o público adulto. Mas mesmo sem esse contato mais acadêmico com crianças, a autora é um dos primeiros nomes pensados quando o assunto é o incentivo da leitura e a importância da prática para o desenvolvimento pessoal e social.

Em Silenciosa algazarra: reflexões sobre livros e práticas de leitura, lançado recentemente pela Companhia das Letras, a autora reúne seus ensaios e palestras em que traz boas ideias e críticas sobre o incentivo da leitura a importância da literatura infantil e juvenil. Sua fala baseia-se principalmente em suas experiências como autora e leitora, e o livro trata tanto da tarefa de formar leitores até divulgar a literatura infantil brasileira no mercado internacional. E para abrir esses textos, nada melhor do que trazer justamente um que fala da importância da literatura para a sociedade. Ana Maria Machado traz vários argumentos para falar do papel da literatura na formação humana, em que sua leitura é uma ferramenta que nos torna críticos, melhora nosso vocabulário, nos faz conhecer novas culturas e principalmente nos ensina a aceitar a diversidade.