Em 1912, um livro intitulado Autobriografia de um Ex-Negro foi publicado nos Estados Unidos. Sem identificação de autoria e com um narrador sem nome, o livro foi tomado como um relato real das condições raciais nos EUA no final do século XIX e começo do XX. Em 1927, o livro ganhou uma segunda edição, dessa vez com autoria creditada à James Weldon Johnson, um dos principais nomes pela luta dos direitos dos negros no país. Em 2010, Autobriografia de um Ex-Negro ganhou sua primeira tradução para a língua portuguesa por Robertson Frizero, publicada pela editora 8Inverso. Considerado um clássico da literatura afro-americana, a falsa autobiografia revelou à sociedade como a questão racial era vista e discutida entre brancos e negros depois da Guerra Civil.

O protagonista/narrador inicia sua história pela infância. De pele clara, ele foi confrontado com sua origem ao ser classificado como negro por sua professora da escola. Filho de mãe negra e pai branco, o garoto inteligente e talentoso que adorava piano abraçou a cultura e comunidade negra e sentiu diretamente o tratamento diferenciado que os negros recebiam. Mas na verdade, ele mesmo passou a se ver e se tratar de modo diferente. A questão sobre igualdade de direitos para os negros virou um assunto de extremo interesse, avaliando as diferentes nuances com que o negro vê o homem branco e vice-versa.

Em 1888, na noite de 7 de novembro, Jack, O Estripador, fez sua última vítima: Marie Kelly, prostituta, assim como todas as outras mulheres que matou. Mas esse assassinato não tirou apenas uma vida. Ele acendeu a vontade de acabar com outra, a do jovem Andrew Harrington, amante de Marie Kelly. Inconformado com a morte de sua amada, oito anos depois o jovem rico de Londres decide tirar sua própria vida. Porém, seu primo e melhor amigo, Charles Winslow, o convence a desistir do suicídio apresentando-lhe uma maneira de salvar Marie Kelly: viajar no tempo e matar o serial killer.

O homem reverencia a guerra. Embora desfrute dos tempos de paz, quando o assunto são combates, lutas e armas, o homem se sente atraído por sua força de destruição. Na literatura histórica, são as guerras que fornecem a maior parte do material narrativo, por serem acontecimentos que mudaram o mundo, afetaram países e milhões de vidas. Exemplo maior desse estilo é Bernard Cornwell, autor de mais de 40 livros que reconstituem fatos da História alinhando-os à ficção. Tomando o mesmo rumo, também temos Conn Iggulden, que se consagrou com a série O Imperador e esteve este ano no Brasil para a Bienal do Livro de São Paulo. Mas não foi nessa série, ainda inédita para mim, que vi esse fascínio pela guerra. Foi em O Conquistador, trilogia que conta a vida deGêngis Kahn, líder que uniu as tribos da Mongólia.

Desde 1 de janeiro do ano passado, a Língua Portuguesa está unificada. Ou melhor, desde 2009 estão tentando unificá-la. Nesta data, entrou em vigor o Novo Acordo Ortográfico, que visa igualar a escrita do português em países que falam o idioma. Acentos foram removidos, assim como hífens, formando palavras visivelmente estranhas, mas sonoramente as mesmas de sempre. Muitos foram contra, pensando na dificuldade em se adaptar às novas regras – que já eram complicadas de aprender antes. Mas não teve jeito: a escrita mudou, e temos mais algum tempo até o “antigo” modelo ortográfico ser completamente deixado de lado.

Algumas séries rendem mais do que os livros que as compõe. Crepúsculo, que ainda não teve todas as edições publicadas, veio com o extra A Breve Segunda Vida de Bree Tanner. Harry Potter, além dos 7 livros da saga, apareceu com Animais Mágicos e Onde Habitam, Contos de Beedle, o Bardo e Quadribol Através do Séculos. Isso falando apenas do que seus próprios autores fizeram, porque há muitos outros títulos de gente pegando carona no sucesso dessas séries. Com o lançamento do último livro de Percy Jackson & os Olimpianos, de Rick Riordan, também veio o seu bônus: Os Arquivos do Semideus.

Tinha largado totalmente essa (pequena, possessiva e materialista) sessão do blog, mais eis que a Feanari, lá do Blablabla Aleatório, fez com que eu me lembrasse de um grande desejo meu: a série As Aventuras de Sharpe, de Bernard Cornwell. Mas esse não é um desejo simples. A série que narra batalhas das Guerras Napoleônicas na visão do militar Richard Sharpe tem, digamos, um número considerável de exemplares. E não é só os que já foram publicados aqui no Brasil que eu quero. Aí fica complicado.

O término de uma saga sempre tem uma aura triste. Mesmo sem ter acompanhado o lançamento de cada nova história, a última vem com aquele gosto de despedida. Com Percy Jackson & os Olimpianos, de Rick Riordan, não poderia ser diferente. Prometendo 5 livros para a série que coloca nos tempos atuais a mitologia grega, chegou no início de agosto O Último Olimpiano, pela editora Intrínseca, volume final da história do semideus filho de Poseidon. Nesse livro, Percy conhecerá inteiramente seu verdadeiro destino, e lutará para salvar o Olimpo.

Quando fui saber quem era John Boyne vi seu nome ligado ao best-seller O Menino do Pijama Listrado. A obra é bastante recomendada, mas dela vi somente uma imagem de sua adaptação cinematográfica. Imagem essa que dizia ser uma história triste, que pega pela emoção. Quando peguei O Palácio de Inverno, terceiro livro do autor publicado no Brasil pela Companhia das Letras, esperava apenas mais uma boa história que mistura a ficção à realidade, e não algo tão emocionante. E levar o leitor a pensar isso, inicialmente, é o objetivo do livro.