Samarendra Ambani é suíço. Seu nome e aparência podem sugerir que não. Mas ele é suíço, logo ele é neutro e não desperta ameaças. Sam, como é conhecido, é arquiteto, filho de pai indiano e mãe suíça. Nasceu em Zurique. Tem uma namorada que pretende pedir em casamento e mora com a mãe e a irmã mais nova, debilitada por uma rara síndrome. Os pais não quiseram gastar com um tratamento arriscado que poderia dar a ela uma vida quase normal. Não tinham muito dinheiro, não queriam deixar a Suíça. Mas Sam quer algum dia poder pagar para que ela possa se recuperar, para que a irmã possa parar de desejar sua própria morte. Ao contrário da irmã, Sam é saudável. Nunca fica doente, nunca cai de cama.

Siem Sigerius é o respeitado reitor de uma universidade holandesa localizada em Enschede. Casado com Tineke, que faz móveis em sua casa de fazenda, ajudou a criar as duas enteadas, Joni e Janis. Joni, a mais velha, namora Aaron, fotógrafo que admira a figura de Sigerius e de quem acaba se aproximando muito por conta do jazz e de seus treinos de judô – esporte que Siem dominava na juventude e quase o fez participar das Olimpíadas, mas que abandonou após um acidente. Acamado, o tédio o levou à matemática, momento em que descobriu ser um gênio com os números. Mas no começo de Bonita Avenue, romance de Peter Buwalda (tradução de Cassio de Arantes Leite), essa composição familiar não existe mais. Através dos pontos de vista de Siem, Joni e Aaron, o autor vai revelando os acontecimentos que causaram o afastamento dessas pessoas – e a morte do reitor.

Jörgen Hofmeester é um homem de bem. Pai zeloso, profissional respeitado, marido dedicado, e mesmo assim foi abandonado pela bela mulher. Se preocupa com o futuro da família, economiza para deixar às duas filhas o necessário para nunca passarem nenhuma necessidade. Um homem de bem naquela concepção clássica de alguém que age pensando no bem-estar da família, para mantê-la unida e abastecida com o que precisar. “De bem”. Hofmeester é o protagonista de Tirza, romance do holandês Arnon Grunberg traduzido no Brasil por Mariângela Guimarães. Um personagem que tem de tudo para despertar a simpatia de qualquer um com seu jeito certinho e regrado de tocar a vida, mas que por algum motivo desconhecido só é pisoteado por ela. Mas essa impressão não passa de um equívoco inicial.