No começo do ano, postei uma pilha de livros que eu gostaria de ler em 2021. Tinha Joan Didion, Svetlana Aleksiévtich, Audre Lorde, clássicos como Mrs. Dalloway, Eu sou um gato e O grande Gatsby – como não leio muitos clássicos, queria dar mais tempo para eles. Ontem retornei a essa foto e postei ela novamente no Instagram apenas para dizer: é, não rolou. Nenhum daqueles livros foram lidos. Ainda quero ler? Óbvio, claro. Mas eu falhei totalmente em fazer isso nesse ano.

Terror não é dos gêneros que mais leio, apesar de gostar muito. Ele remete a um tempo que não existe mais, quando eu era uma adolescente deslumbrada com as coisas macabras da vida — gótica suave que fala. Eu li uma cota de Stephen King (Saco de ossos é meu favorito), Edgar Allan Poe, Marion Zimmer Bradley, Anne Rice. E aí passou essa obsessão pelo oculto, apesar de ainda ver muitos vídeos de fantasmas no YouTube. Mas então chegou Nossa parte de noite, de Mariana Enriquez (Intrínseca, tradução de Elisa Menezes), e gente, como é bom ler uma boa história de terror.