Um velho médio aposentado e professor de renome perde sua esposa e fica sozinho em sua casa em uma fictícia cidade do interior do Rio Grande do Sul. Estamos na Ditadura Militar, em um lugar onde vivem descendentes de imigrantes italianos na calmaria de uma cidadezinha que não tem preocupações maiores como aquelas que infernizam os moradores da capital. Por ser conhecido, o velho poderia ter muitos amigos, mas assim como sua esposa, todos aqueles que estima já se foram. Só restou ele e seu desprezo pelo resto da vida que tem em volta. E também a certeza de que em pouco tempo, ele também vai finalmente deixar esse mundo.

O velho é José, protagonista de O Arcanjo Inconfidente, livro de estreia de Benhur Bortolotto publicado em 2009 pela editora Movimento. O velho, para o narrador, é simplesmente o velho, não tem outro nome ou definição, como as outras personagens que fazem parte dessa história. O livro não relata apenas a solidão dele ou a sua espera pela morte, mas também o sopro de vida que recebe de novas pessoas que, ao contrário de tudo o que esperava, conhece logo depois da partida de sua mulher. Primeiro conhece Carmem, sua nova vizinha, uma mulher negra e mal vista pelas outras pessoas que a julgam por sua cor. O velho não tem esse preconceito, mas sim um comportamento rude que desafia e ofende a todos, inclusive Carmem, ainda jovem e, como depois descobre, noiva de um rapaz filho de descendentes italianos que desaprovam a união.