Sensações e sonhos são os materiais principais para as poesias. Amor é o sentimento que muitos atribuem a ela como forma de representação, mas ainda há como falar de sofrimentos – sejam ligados ao romance ou não –, de expectativas e, porque não, do próprio cotidiano. Com temas que giram em torno da vida no campo e suas dificuldades, Valmor Bordin estrutura os textos de Poemas Famintos, livro publicado pela editora Dublinense. Filho de agricultores, Bordin trouxe para a poesia a vivência no interior e a fonte de sustento de sua família: o vinho. Esse sustento é o cerne dos poemas que versam sobre o cultivo, a colheita e a venda dos produtos da terra, mas não se contentam apenas a mostrar de forma rimada esse cotidiano. O campo, algumas vezes, é apenas uma alegoria para tratar de questões maiores sobre a vida.

Os versos de Bordin são breves. Os primeiros poemas, dedicados aos pais, retornam aos tempos de juventude do autor, em que o sucesso de uma colheita é garantia da sobrevivência da família, e os dias giram em torno da apreensão de se conseguir uma boa safra. O vinho, aqui, tem importância maior do que trazer dinheiro para a casa. Ele traz a vida para aqueles que dele dependem. Com esses versos, Bordin evoca as texturas e odores daquela época, lembrando os trejeitos dos pais em cada tarefa que faziam e a importância do trabalho de pessoas simples.