Quando a vida está uma merda, a gente faz escolhas bostas. Um exemplo disso é o livro Luxúria, de Raven Leilani (Companhia das Letras, tradução de Ana Guadalupe). Edie, a protagonista, está naquela fase da vida em que nada é garantido. Funcionária em uma editora de Nova York, está entediada com o trabalho e se sentindo ameaçada por uma nova contratada, uma jovem negra como ela em um ambiente majoritariamente branco. Como se não houvesse lugar para mais de uma pessoa negra na editora. Ainda mais quando a “concorrente” age para agradar a todos, enquanto Edie não faz questão nenhuma disso. 

No começo do ano, postei uma pilha de livros que eu gostaria de ler em 2021. Tinha Joan Didion, Svetlana Aleksiévtich, Audre Lorde, clássicos como Mrs. Dalloway, Eu sou um gato e O grande Gatsby – como não leio muitos clássicos, queria dar mais tempo para eles. Ontem retornei a essa foto e postei ela novamente no Instagram apenas para dizer: é, não rolou. Nenhum daqueles livros foram lidos. Ainda quero ler? Óbvio, claro. Mas eu falhei totalmente em fazer isso nesse ano.