antónio jorge da silva tem 84 anos de idade quando morre sua mulher, laura. A morte não lhe era esperada, apesar da idade, mas sim porque pensava – ou assim desejava – de não ter que viver um dia sequer sem ela depois de passarem juntos 48 anos, terem dois filhos e viverem tranquilamente os tempos de ditadura em Portugal. A perda foi dolorosa, sentida com muita indignação, e o velho silva é colocado pela filha em um lar de idosos em Portugal chamado “idade feliz”. Coloco-os aqui assim, em minúsculas, como valter hugo mãe o faz em a máquina de fazer espanhóis, romance publicado no Brasil em 2011 pela Cosac Naify.