Comemorando a data cada vez mais próxima da estreia do novo filme da saga Crepúsculo nos cinemas, a editora Intrínseca lançou uma nova edição do livro Eclipse, com capa referente ao longa. Como só havia lido Crepúsculo, e recentemente A Breve Segunda Vida de Bree Tanner, Eclipse é novidade. Mas até certo ponto, porque assim como o primeiro livro – e provavelmente como o segundo, Lua NovaStephenie Meyer não muda sua forma de narrar: se arrasta em centenas de páginas sem relevância e bota toda a ação no final.

Enquanto todos os fãs de Stephenie Meyer aguardavam por alguma notícia sobre o último capítulo da saga Crepúsculo, eis que surge uma novidade: o livro ainda não será lançado. Porém, os leitores foram agraciados com uma história paralela da do vampiro Edward e da humana Bella. Trata-se de A Breve Segunda Vida de Bree Tanner, uma visão renovada da derradeira batalha entre os Cullen e o exército de Victoria em sua vingança contra a “humana de estimação” do clã de vampiros de Fork.

Uma linda jovem na escola se apaixona pelo cara mais bonito e misterioso. O amor entre os dois cresce, os consome e um se torna a coisa mais importante para o outro. Ela é uma humana, e ele um vampiro. Não importam os segredos e as privações que ambos terão de passar. O amor é maior que tudo isso. Já ouvimos essa história antes, não? Já, e alguns até estão cansados dela. Mas essa é diferente. Pelo menos melhor que aquela que imaginamos primeiro.

“Vampiros me parece ser o clichê da década”, disse um leitor do r.izze.nhas. Ele está certo. Mas nesse momento, o clichê está mais ligado a personagens embebidos em leite condensado. Ou lantejoulas. Doce demais enjoa, sempre disse minha mãe, e o mesmo acontece com personagens com mel em demasia. Os vampiros que fazem sucesso hoje infelizmente são assim. É interessante ver uma abordagem diferente, mas preferimos que eles não fujam tanto daquilo que conhecemos.

crepusculoTodos têm que ter uma opinião sobre best-sellers, por mais tardia que seja. E para ter uma opinião sobre certa coisa, é necessário conhecê-la, por isso resolvi ler Crepúsculo, de Stephenie Meyer. As críticas sobre a criação da autora são muitas. Os fãs rechaçam os que falam mal dos livros, os que falam mal desprezam os fãs. Há exceções, claro, mas falo do comportamento mais freqüente. Todo esse frenesi em cima da série Twilight me deixou muito curiosa, e eu não gosto de ficar nesse estado por muito tempo. Queria logo saber se o livro era aquela grande porcaria como alguns diziam, ou se era a obra mais maravilhosa de todos os tempos. Consegui o livro por um preço que não me deixaria frustrada caso não gostasse dele, e comecei logo a leitura.