Invadir: esse verbo caracteriza o ato praticado por um zumbi. Eles invadem cidades, acabam com todos os que encontram pela frente no único objetivo de encontrar um suculento cérebro. Essa invasão às vezes pode ocorrer em lugares pouco convencionais, longe das paisagens que vemos no cinema. Como em um livro, por exemplo, inserindo os zumbis em uma obra chamada de clássica, uma invasão em um mundo onde eles, de início, nunca existiriam. Seth Grahame-Smith fez isso em Orgulho e Preconceito, de Jane Austen. Ele invadiu seu romance com uma horda de zumbis, transformando-o em uma história sangrenta, mas sem destrui-la.

Não me lembro de ter lido algum livro sobre o Velho Oeste antes. Sobre zumbis já li. Mas zumbis no faroeste é inédito. Para quem ficou intrigado com a mistura, pode conferir ela em Areia nos Dentes, do gaúcho Antônio Xerxenesky. Publicado pela Não Editora, o livro narra a história de Juan Ramírez, filho de Miguel, que tem uma rixa com a família Marlowe. Os Ramírez desconfiam que os Marlowes escondem alguma coisa no seu porão. Porém, há mais do que isso. É uma narração dentro de uma narração. A história é contada por outro Juan, descendente do primeiro, um velho morador da Cidade do México que vê no livro uma forma de dar mais ação a história de sua família.